Quando buscar orientação de uma consultora de amamentação?

Quando buscar orientação de uma consultora de amamentação?

 

A jornada da amamentação evoca uma variedade de sentimentos, desde o receio até o entusiasmo e a ansiedade. Mesmo reconhecendo os inúmeros benefícios do aleitamento para a mãe e o bebê, o processo nem sempre é intuitivo e pode não fluir perfeitamente na primeira tentativa. Diante desse cenário, surge a pergunta crucial: quando é o momento certo para procurar a ajuda de uma consultora de amamentação?

O medo do desconhecido é compreensível, e este já é um sinal indicativo para a intervenção de uma consultora em amamentação. Se você está grávida e possui dúvidas sobre a amamentação, procurar uma consultora é aconselhável. Os aspectos emocionais e as experiências prévias da mãe desempenham um papel crucial no sucesso do aleitamento, tornando essencial que ela se sinta preparada e confiante antes mesmo do nascimento do bebê.

Como funciona o trabalho da consultora de amamentação?

Esse trabalho é personalizado e pode ocorrer no domicílio da mãe ou no espaço de trabalho da profissional. Além de solucionar problemas específicos, a consultora de amamentação desempenha um papel de acompanhamento próximo e investigativo em relação às dificuldades enfrentadas pela mãe.

O trabalho da consultora não se limita apenas ao período pós-parto, podendo incluir momentos prévios ao parto e até mesmo orientação para o desmame. Assim, ela pode atender não apenas mães com dificuldades, mas também oferecer orientações preventivas.

Aqui estão algumas situações em que se aconselha procurar uma consultora:

  1. Quando a mãe sente dor ou apresenta feridas nos seios durante a amamentação, indicando a necessidade de avaliação e ajuste na pega.
  2. Se o bebê possui alguma alteração anatômica que dificulta a amamentação.
  3. Caso o bebê tenha dificuldades na pega correta.
  4. Quando o bebê não está ganhando peso adequadamente, antes de recorrer à suplementação com fórmula.
  5. Em casos de ingurgitamento ou mastite na mãe, buscando ajustes na amamentação para prevenir recidivas.
  6. Se a mãe enfrenta desafios emocionais relacionados à amamentação.
  7. No caso de uma mãe adotiva que deseja amamentar.
  8. Quando mãe e bebê precisam ficar separados por longos períodos, e a mãe deseja continuar amamentando.
  9. Após cirurgias de mama realizadas pela mãe.
  10. Se a mãe planeja retornar ao trabalho e deseja manter a amamentação.
  11. Quando a mãe precisa aprender a ordenhar o leite.

Compartilhe sua experiência se já contou com o apoio de uma consultora. Se está passando por esse período, saiba que é possível eternizar a amamentação com o kit Amor de Leite, permitindo que você mesma crie sua joia de leite materno em casa, uma experiência única!

 

Referência Bibliográficas:

CORREA, Barbára. Concha de amamentação: acessório pode causar riscos para mãe. 2020. Disponível em: <https://www.minhavida.com.br/familia/materias/35839-concha-de-amamentacao-acessorio-pode-causar-riscos-para-mae#:~:text=Alternativas%20para%20uma%20amamenta%C3%A7%C3%A3o%20segura&text=J%C3%A1%20para%20as%20m%C3%A3es%20que,o%20leite%20cai%20na%20fralda%22>. 

Grão de gente. Concha de amamentação ajuda ou atrapalha? 2018. Disponível em: < http://www.bloggraodegente.com.br/gravidez/concha-de-amamentacao/>. 

Mil dicas de mãe. Concha de amamentação: será que você precisa mesmo? 2018. Disponível em: <https://www.mildicasdemae.com.br/2018/08/concha-de-amamentacao.html>. 

← Publicação mais antiga Publicação mais recente →

Desvendando a Resistência Insulínica: Impactos Durante a Gravidez e Amamentação

Vinagre de Maçã: Um Aliado para o Bom Funcionamento Intestinal e sua Relevância na Amamentação

Desvendando os Antioxidantes: Guardiões da Saúde das Mães e Mulheres

Suplementos para Lactantes: Livres de Antioxidantes e Fitoterápicos para uma Amamentação Segura

Título do Post